sábado, dezembro 12, 2009

LUSITANADA BESTIAL 004: Nem toda gente

Festa de Natal de um banco europeu. Consultores brasileiros, contratados pela matriz do banco em São Paulo, estavam a trabalho na unidade européia e foram, mui gentilmente, convidados para a festa, junto com os funcionários da matriz que também compunham a equipe de projeto.

Na recepção do Ritz Four Seasons de Lisboa, onde ocorreu o evento, os convidados aguardavam o inicio do jantar, entretidos por aperitivos e bate-papos com os portugueses anfitriões.

Um dos convidados inicia um diálogo retórico, que gera mais uma lusitanada bestial.

- Vem todo mundo nesta festa?, querendo saber se o convite era estendido a todos os funcionários.

- Não, não. Há quem não possa vir, ou não queira. Nunca vem toda gente.

- Mas o convite é feito para todos os funcionários?

- Sim, sim, claro.

Em Portugal, a pergunta tem que ser clara e precia, senão...

sábado, dezembro 05, 2009

Minha bizarrice é internacional

Nota rápida: estou acompanhando o "Ídolos" de Portugal...
É bem parecido, mas os candidatos são um pouco menos bizarros e os jurados, um pouco menos duros.
Para minha surpresa, a maioria dos candidatos canta em Inglês. Teve uma que arriscou cantar em Português e foi até alogiada por sua ousadia por um dos jurados, ao que outro jurado replicou admirando-se por ver a que situação chegaram: elogiam aquele que canta em sua própria língua.
Fiquei imaginando com seria bom se tudo em Portugal fosse falado numa língua mais próxima e compreensível, como o Inglês,...se cantassem em uma língua mais próxima da nossa seriam até bons...

quarta-feira, dezembro 02, 2009

Imbruglia pra mim que eu quero levar pra casa!

Depois de verem esse novo clipe da Natalie Imbruglia para a música Want vocês vão achar o trocadilho ruim, mas vão entender meu sentimento... Ô lá em casa!

Mais um para a coleção

Pois é. Eu tenho poucas manias, mas uma das conhecidas é meio incontrolável: meu apreço pela música em geral e, em particular, por instrumentos musicais diferentes.

Como não podia deixar de ser, estando na terra do Fado, fui praticamente obrigado a adquirir uma guitarra portuguesa.

Pra quem não conhece (e eu era um destes), não se trata de uma variação da guitarra (ou violão), nem é um bandolim metido a besta. O instrumento tem timbre característico (do fado, só quem já ouviu entende, algo que lembra um misto de bandolim, banjo e cravo) e afinação absolutamente diferente de qualquer outro (apenas pra constar, são 6 cordas duplas, como segue: Si, Lá, Mi, Si, La, Ré).

Pode parecer bobagem pra vocês, mas estou feliz com meu novo brinquedo. Ainda não sei tocar, mas já estou todo animado. Olha ela aí embaixo...

domingo, novembro 29, 2009

LUSITANADA BESTIAL 003: Claro que pode!

Dois brasileiros jantando numa pizzaria. Não na Itália, mas em Portugal, pá. Um deles, mais esfomeado naquele dia, havia pedido 2 pizzas médias somente para si (desculpem-me, por infliência lusitana tenho mudado um pouco os termos que uso).

Como a sensação era maior do que a fome em si, sobrou pizza e o brasileiro tratou de providenciar um embrulho. O problema: o pedido foi feito à brasileira, não com bula.

- Por favor, eu gostaria de levar o que sobrou da pizza. Pode ser?
- Pois então, claro que pode! A pizza é tua!
- Ok... Daria pra embrulhar?
- Ah, pois.
- Obrigado.

Ora pois...

sábado, novembro 28, 2009

Sabedoria popular

O Pitta morreu no dia da consciência negra.
Se seguir essa tendência, o Maluf vai no 1º de Abril e o Lula no 1º de Maio...

quinta-feira, novembro 26, 2009

LUSITANADA BESTIAL 002: Ah, bom...

Eu estava, pra variar, num restaurante. Lendo as opções do cardápio, peço esclarecimentos à garçonete.

- Por favor, o que significa esse "à moda do Brás"?

- Ah, isto é o modo como o prato é preparado.

- Ou seja...?

- Ah, com batatas ao murro, pimentos e azeitonas.

Ah, bom... como são geniais esses patrícios, não?

LUSITANADA BESTIAL 001: Pedra fervente não queima!

Todos os brasileiros que voltam de Portugal levam histórias incríveis sobre como os lusos são literais. Como não podia ser diferente, em pouco tempo na terra de Camões já pude presenciar alguns acontecimentos interessantes, que descreverei a seguir.

Contexto: Jantar, mesa com 6 brasileiros, sendo um carioca. Todos pedem pratos portugueses, exceto um (qual?), que pede um "naco na pedra". O prato consiste de originais tiras de carne crua, a serem preparadas pelo próprio cliente numa pedra quente disposta à mesa.

O garçom se aproxima para retirar um prato da mesa, fazendo um movimento com a mão que fica distante 1 nanomilímetro da pedra escaldante. Eu interajo com o garçom, procurando alertá-lo sobre o perigo.

- Cuidado, vai queimar a mão!

- Não, não queima!

- Esta pedra quente não queima???

- Bom, não queima porque não cheguei a encostar...

Gênio!

Já agora, finalmente!

Pois bem! Cá estou, de volta. Sei que fiquei distante por algum tempo, o que levou até algumas pessoas a alegarem injustamente que este blog tinha palhas d'oeste. Mas isso é mentira, claro. O que aconteceu, isto sim, foi o acúmulo de duas coisas que consomem muito tempo: trabalho e lugares novos para conhecer.

Cheguei a Lisboa no dia 20 de novembro (sexta-feira). Consegui aproveitar o fim de semana prolongado quase todo passeando e conhecendo a capital lusitana. Como choveu no sábado, esse conhecimento ficou restrito a alguns restaurantes e bares, além de alguns poucos pontos turísticos. Ou seja, continuo basicamente bebendo e comendo como um porco-matriz.

Mas mesmo nestes poucos dias passados aqui na terra dos nossos colonizadores, já pude vivenciar situações interessantes, que passarei a descrever em posts-pílula, para que os desocupados de plantão possam acompanhar as bobagens que acontecem aqui à distância.

Ah, o título deste post exemplifica uma primeira constatação interessante. Os portugueses têm o hábito de falar "já agora" a todo momento. Já agora, aproveito para perguntar: que catzo significa essa expressão? Alguém se candidata a explicar?

terça-feira, outubro 27, 2009

Vale 1 post genial

Semana cheia. Saindo do escritório tarde todo dia. Treinamento no fim de semana. Domingo é dia de ver a obra, preencher cheques e dar diretrizes para a decoração. E assim acaba o tempo livre. Faz parte da vida, eu sei, mas desse jeito a criatividade toda se vai pelo ralo... Impressionante como é preciso ter algum tempo livre para desligar do trabalho e criar alguma coisa inteligente, mesmo para um blog inconsequente. Fica aqui um "vale post genial", que expira em 5 dias!

quinta-feira, outubro 22, 2009

Dicionário Português-Português - Parte I

Este post somente fará sentido para aqueles que já tiveram contato com nossos irmãos de sangue, ex-colonizadores e navegantes, os portugueses. Não me refiro aos padeiros, que já passaram por adaptação tropicalizadora, mas sim aos patrícios que ainda lá habitam. As diferenças de língua após 5 séculos de evolução separada pelo Atlântico trouxe bizarrices que podem atrapalhar bastante a comunicação. Abaixo, alguns exemplos.

BRASIL => Portugal
Menino(a) => Miúdo(a)
Cara => Gajo(a)
Garoto => Puto
Puto => Puto
Garota => Rapariga
Rapariga, Puta => Puta
Viado => Paneleiro, panasca
Paneleiro => Vendedor de panelas
Grampeador => Agrafador
Privada => Sanita
Buceta => Cona, racha (e buceta também)
Pinto => Piça (e pinto também)
Peitos => Mamas
Peidar => Largar
Que legal => Que giro
Não entendi, não ouvi => Não percebi
Vai tomar no cu => Vai apanhar no cu
Terno => Fato
Fato => Facto
Ato => Acto
Pato => Pacto (hehe, essa foi brincadeira, não é verdade...)
Recepção => Receção (aqui eles inverteram a história)
Equipe => Equipa
Controle => Controlo
Café da manhã => Pequeno almoço
Banheiro => Casa de banho
Capacho => Tapete de entrada
Descarga => Autoclismo
Alô (no telefone) => Estou
Alô (do outro lado do telefone) => Estou também

quarta-feira, outubro 21, 2009

quarta-feira, outubro 07, 2009

Votação IV: Será que o Cacá leva 20 votos?

Não sei vocês acompanharam a Votação III. Se não acompanharam, é fácil: é só olhar mais abaixo na lista de posts e ler o referido sufrágio. Se acompanharam, devem estar estarrecidos como eu com a vibrante enxurrada de votos recebidos pelas pessoas que seguem este blog.

Rapidamente, de forma totalmente inesperada, os leitores desse blog votaram positivamente para o Cacá criar o seu prórpio blog, atingindo a contagem expressiva de 19 votos.

Mas isso ainda não é o suficiente. Infelzimente, falta ainda um voto para que o Cacá, como ele mesmo afirmou, convença-se e inaugure seu próprio espaço bloguístico.

E enquanto esse impasse não chega a um final, só nos resta torcer e criar uma nova enquete -por que não?- sobre esse tema.

Quem acha que a votação para decidir se o Cacá cria ou não seu blog vai atingir 20 votos até o final desta semana??

segunda-feira, outubro 05, 2009

Votação III: Mais um blog obrigatório

Quem aí vota a favor de o Kaká fazer um blog?

Votação II: Fora mustache

Há muito tempo eu acho bigode um erro. Tem penteados duvidosos, tem barbas questionáveis, tem cavanhaques infelizes - mas sempre há quem goste. Agora, bigode eu acho que já virou uma certeza: é ruim. Não consigo entender por que o bigode é tão medonho, mas o fato é que não dá.

Mas talvez algumas figuras públicas que usam bigode possam me fazer rever essa opinião...











... pensando bem, não dá mesmo! Fora mustache!

Quem vota contra bigode?

domingo, outubro 04, 2009

Votação I: Fora Bozo Jovem-Guarda

Não sei o que vocês acham, mas eu voto contra o cabelo do Erasmo Carlos. Ele poderia passar uma máquina, deixar o cabelo bem baixo, ganhando um ar de senhor mais respeitável. Ou poderia raspar careca, igual ao Herbert Viana, que até lhe rejuvenesceria uns anos. Mas do jeito que tá, tá muito bizarro. Não posso deixar isso prosseguir dessa forma. Eu vou ser tio em breve, tenho que zelar pra que a minha sobrinha encontre um mundo melhor. Chega de velhos roqueiros que acham sexy ter fiapos podres e mal tratados na cabeça. Parecem bozos chamuscados.

Quem aí vota contra o cabelo do Erasmo?

sábado, outubro 03, 2009

Onde está o meu QG?

Viver é confirmar, dia após dia, que não há limites para o inesperado.
Pessoas morrem, outras nascem, outras se desentendem ou se desencontram - mesmo quando parecem unha e carne.
Mas os amigos ficam, continuam presentes e devem continuar sempre presentes, no matter what.
Na minha casa quase nunca teve muita companhia - sou sempre só eu. Mas tem sempre espaço no chão pra colchão, um canto pra assistir TV e cerveja (boa) na geladeira (pra um batalhão, se for preciso).
Espero, do fundo do coração, que tudo se resolva da melhor forma para todos e todos vivam sempre mais felizes.

quarta-feira, setembro 30, 2009

Literal Video Version

Pra quem não conhece ainda, esses vídeos do YouTube da série "Literal Video Version" são imprescindíveis. A idéia é simples e genial. O sujeito pega clips bizarros que têm imagens nada a ver e faz uma letra alternativa descrevendo exatamente o que está acontecendo no vídeo. O resultado é uma das melhores tosqueiras do YouTube... Seguem dois dos que eu mais gostei.

The Total Eclipse of The Heart


Take on Me
(O YouTube desativou a função de incorporação do vídeo, então vocês terão de ver na própria página deles. Segue o link.)
Link

segunda-feira, setembro 28, 2009

Fraulein adoecida

só deu para mim
passar roupa e dá uma
limpadinha mais o menos
pois estou doente tá
foi embora logo


e o pior é que eu não vi diferença nenhuma na qualidade da limpeza...

domingo, setembro 27, 2009

Alternância de gerações

Outro dia estávamos falando sobre modismos relacionados a barba, bigode, cavanhaque, pêra, costeleta e outras bizarrices que os homens deixam na cara. Isso mudo de tempos em tempos e aquilo que já foi bacana logo vira estranho, depois normal de novo.

Por exemplo, vejam o caso da barba. Quando eu era adolescente, as meninas achavam estranho porque era incomum. Como eu era um babaca naquele tempo, que preferia ser considerado diferente do que aproveitar as vantagens de ser main stream, eu tive barba com dezessete e dezoito.



Depois, ao vinte e poucos, ter barba inteira era repudiado, mas as mulheres gostavam de cavanhaque. Nessa fase eu já havia parado de querer ser diferente, então adotei o visual do momento. Rendeu alguns frutos - havia garotas que diziam que dava um ar cafajeste, que era bem quisto.



Lembro que cheguei a ensaiar um meio-termo, entre a barba e o cavanhaque, um misto de Chuck Norris com o negativo do Marcelo Nova. Não deu certo, mas, claro, eu dei uma insistida.



No quesito pentado, fiz também todo tipo de cagada. Acho que o destaque, com direito a prêmio na categoria "and the 'hot vomit Oscar' goes to" foi sem dúvida para os mullets.





Agora, o que é realmente curioso é que as modas voltam. E acho que hoje, ter aquele visual dos 18 anos (barba e cabelo mal cortados e cara de meio sujo) seria mais atrativo do que qualquer outra preparação. Ou melhor, quase qualquer outra. Porque o campeão de bilheteria sempre será aquela foto de criança, que dispara um "ai que fofo" em qualquer ser do sexo feminino. O que será que aconteceu?

quinta-feira, setembro 24, 2009

Motiva-te, Fonseca...

Para aqueles que, como eu, vivem de vender e entregar aquilo que vendem, vale sempre a pena ver um vídeo "motivacional". Este aí é um clássico!

domingo, setembro 20, 2009

Confesso: a inteligência me atrai

A maior prova disso é a americana AJ Bailey, antropóloga e artista plástica que estudou na St Andrews University, mesma escola que o príncipe William frequentou.

Simpatizei muito com a moça, que não só tem muito futuro como tem muito presente e muito passado. A moça que desistiu de trabalhar em call centers porque ganhava mal, resolveu ganhar a vida como atriz pornô.

Mas eu gosto mesmo dela pela formação. Formação é tudo, gente! Olha a foto da moça aí embaixo...



Desatualizado

Sempre tentei escrever direito, respeitando a norma culta. Não porque eu não aceite inovações ou inventividades, mas porque acho que a língua deve evoluir não às custas da ignorância e, sim, pela constatação coletiva (e lenta) de que alguma construção se tornou desnecessária.

Não é novidade pra ninguém que eu já estou usando a nova reforma ortográfica, como exemplifiquei neste post antigo.

Agora, eu não havia sido comunicado sobre algumas mudanças que jornais de grande reputação vêm utilizando.

Por exemplo, no meu tempo quando se falava nos Estados Unidos usava-se o plural: "Os EUA sabem viver". No entanto, a Folha tem adotado uma regra diferente, como se vê no seguinte exemplo (primeira página, dia 20 de Setembro):

EUA sabe que está errado sobre programa nuclear iraniano, afirma aiatolá Ali Khamenei

Líder do Irã disse que Obama busca mesma política de antecessores. EUA vai fazer manobra militar com Israel.


Essa mudança foi consentida ou acordada publicamente? Saiu em algum almanaque que eu perdi? Ou será que eu estava sob o efeito de drogas quando memorizei a regra antiga?

Tô sempre desatualizado...

HAHAHAHAHAHA!

Hahahahahahahahahahaha

sábado, setembro 05, 2009

Mais Parkour (não pascu!)

Já postei sobre Parkour antes e mostrei um vídeo sensacional do David Belle escalando uma obra arquitetônica na Russia, além de um filme da mesma prática esportiva realizada por brasileiros, em São Paulo.

Hoje encontrei mais um vídeo impressionante dessa modalidade, também registrado na Russia. É longo, mas pra quem se interessar, vale a pena. Parece que os cossacos são bons mesmo nesse troço. Vejam abaixo.

terça-feira, setembro 01, 2009

Oscar de Melhor Animação no Ídolos 2009

Tem gente muito animada mesmo naquele programa. Mas ninguém conseguiu superar até agora esse calouro do link aí. Verdadeira fixação em alegria!

Oscar de Animação no Ídolos!

segunda-feira, agosto 31, 2009

Inveja cibernética

Entre ontem e hoje recebi mais de 50 (sem exagero) scraps no Orkut de desconhecidos criticando minha comunidade ("A menor comunidade do Orkut"). Achei que fosse algum tipo de golpe pra me fazer clicar em alguma coisa e infestar minha máquina com vírus H1N1 suínos internéticos. Mas parece que não. O que aconteceu foi que algum adolescente achou a comunidade e espalhou pros amigos e estes pros amigos and so on.

Que gente besta. Falavam coisas duras como "get a life", "você é um ridículo". Não que isso não seja verdade, mas pra que tanta mágoa de um desconhecido? Deve ser inveja cibernética, é isso.

quarta-feira, agosto 26, 2009

Falta de senso crítico

É impressionante a quantidade de pessoas inscritas no Ídolos 2009 que não conseguem perceber quão ridículas elas são enquanto cantam (ou tentam cantar).

Nas audições realizadas até o momento nesta edição, já pude ver:
- sujeito parecido com o Dusek, mas com péssima dicção, dançando e cantando "uuuu gato preso cruzou a estrada, passooooou por debaixo da escada...";
- mulato black power, de calça jeans, jaqueta de couro, cachecol e óculos espelhados, que se dizia ator, cantor e modelo, inicia seu canto com um diálogo por telefone, e o primeiro som que ele emite é um estrondoso "prrrrrriiiiiiimmm!" (telefone tocando);
- neguinho de boné e roupa de office boy cantando pagode monotonal, dançando como se fosse um smurf com soluço;
- gorda gótica com apliques pseudocabalísticos na testa cantando em espanhol;
- roqueiro maluco entra e diz que vai cantar "Rock" (e não uma música), começa dizendo que vai "iniciar de vagar pra eles não assustarem" e logo está berrando na orelha dos jurados, do Faro e sai do prédio gritando e fazendo "mano cornuta" pra todo lado;
- adolescente de 18 anos com voz de infante desiste de cantar na hora e pergunta se pode apenas tirar uma foto com os jurados.

E o pior: várias dessas figuras davam depoimentos após a humilhação de suas apresentações dizendo que, na verdade, os jurados é que não entendem nada e não conseguem perceber o real talento desse povo.

Pra ilustrar a tristeza, um dos meus vídeos preferidos (até agora): o campeão da falta de senso crítico. Espetáculo!

terça-feira, agosto 25, 2009

Doença, de novo: Ídolos

Pra quem não viu, segue o "vídeo kinder ovo" do Ídolos.
A "novidade escondida" (no bom sentido) é revelada no finalzinho do vídeo (ainda bem não é exibida, só revelada)...

Dúvida de gênero no país da piada pronta

Na verdade, o país da piada pronta é o Brasil, e este caso aconteceu na África do Sul. Mas a semelhança das cores (verde e amarelo no uniforme e preta na pele) permite imaginar que o mesmo poderia ter acontecido aqui.

A atleta sulafricana Caster Semenya ganhou ouro em Berlim e teve sua sexualidade questionada. Ou melhor, ninguém questionou sua sexualidade, mas sim, seu sexo. Portadora de níveis de testosterona 3 vezes maiores que o esperado numa atleta feminina comum, a corredora foi acusada de ser homem. Está sob investigação e, se confirmado, levará à anulação do prêmio.

Sob a veemente recusa da tese de androgenia, a atleta foi recebida como heroína (herói?) em sua terra natal. Na entrevista, finalmente a piada pronta. Ela(e?) comentava sobre como foi sua superação diária para atingir o expressivo resultado.

As palavras da atleta sobre o que seu treinador lhe dizia para incentivar seu empenho nos treinos:
My coach always told me: 'MAN, you can do it'.

"MAN"?? Piada pronta, direto da África do Sul.

Confiram no vídeo abaixo (próximo aos 1:38)...

segunda-feira, agosto 24, 2009

Entrou no nosso rabo (e não quer sair nunca)

O Sarney, definitivamente, é um grande filho-da-puta!
Não bastassem todos os esquemas que ele armou (atos secretos, nepotismo), todas as mentiras que ele declarou publicamente durante sua defesa (por exemplo, não conhecer o afilhado) e a palhaçada final do arquivamento das 11 acusações, este filho-de-uma-boa-puta ainda passa o sabão no Suplicy, que foi o único que teve a decência de lembrar que o Sarney tem que se explicar.

O bigodudo cusão, coronel-de-merda, escroto de marca maior, veio com um papo furado de que "sou Imortal, estou no meio de uma homenagem a Euclides e vossa excelência traz um tema que desreipeita esta casa". Ora, vá-pra-puta-que-o-pariu! Aliás, infelizmente, a puta da mãe do Sarney teve a sorte de não perder a prole no parto. Azar o nosso, que temos de encarar um ex-presidente incompetente, que virou Senador corrupto e inescrupuloso, incapaz de limitar suas falcatruas à média, de forma a pelo menos não chamar tanto a atenção.

Eu queria mais é que este filho-da-puta, junto com toda a família dele (que deve ser o equivalente a uns 2 Estados nordestinos), desapareça da face da terra, se possível de forma dolorosa. Chega de só a gente levar no rabo! Vai se fuder!

quarta-feira, agosto 19, 2009

Pioria contínua

Eu estou indo de mal a pior no que diz respeito à escolha dos programa de TV. Antes eu era bem crítico, não via bobagem de nenhum tipo. A transformação veio gradativamente, como na dependência de uma droga, situação em que a necessidade de experimentar algo mais forte se repete a cada superação.

A primeira dose foi o Casa dos Artistas. Vi quase todo e cheguei a torcer para o Supla, o que por si só já é um sintoma claro de demência. Passei, com alguma resistência, para o Big Brother. Várias edições, nenhuma inteira, mas quase todas na arrancada final. O ápice do vício, claramente, foi quando me peguei torcendo pra uma gostosa-da-vez sair só pra eu poder vê-la na Playboy. E, sim, cheguei ao cúmulo de votar por telefone, mas foi uma vez só, juro, não repetirei.

Quando eu achava que não tinha como ir além, veio a novidade. Estou acompanhando A Fazenda, que é igualmente podre a qualquer reality, só que com artistas (como era a primeira droga que eu provei). Fiquei espantado com o gaúcho babaca (Theo), impressionado com o "talento" das gostosas-de-plantão, admirado com a repetitiva tosquidão do público ao fazer escolhas. Mas no fundo, essas tranqueiras são só variações da mesma porcaria.

Mas o que me deixou preocupado mesmo foi a droga de hoje. Ídolos! Pois é, eu achei que nunca faria isso, mas acabei acompanhando um episódio. Com direito a pessoas bizarras, travestis (pior que um cantava bem!) e outras bobagens de todos os lados do Brasil.

Felizmente, não consegui manter-me mais de 30 segundos ligado sem mudar de canal, porque continuo sentido vergonha alheia a todo momento. Mas é isso que me salva, eu acho. Quando eu conseguir acompanhar o episódio inteiro, sem zapear, vai ser a pá de cal. Certeza.

segunda-feira, agosto 17, 2009

O fim dos tempos


Ainda não foi julgado e condenado, mas há indícios fortes contra esse médico aí da foto, especializado em reprodução assistida e, até pouco tempo, um dos mais "respeitados" do Brasil.

A notícia está aqui, com todos os números contundentes (mais de 50 acusações de atentado violento ao pudor e/ou estupro).

O triste é que esse médico era figura carimbada, conhecida há décadas, uma referência no tratamento de casais com dificuldade de ter filhos. Eu, que não sou do meio, já tinha visto esse cara em pelo menos uma dezena de programas de TV. E milhares de pacientes passaram pela clínica dele na Avenida Brasil.

O pior é que, se forem confirmados os casos, considerando o tempo de serviço e o volume de atendimentos, ficará muito complicado pra uma mulher que tenha passado por tratamento com ele não se sentir mal.

Espero (embora não acredite) que seja tudo mentira, invenção da imprensa marron, que apenas quer destruir a reputação de um grande e bem sucedido profissional. Caso contrário, é o fim dos tempos.

quarta-feira, agosto 12, 2009

A vitória dos chatos

No fim do dia, serei beneficiado pela lei anti-fumo.

Não sou viciado, portanto não me afeta diretamente. E prefiro ficar sem cheiro de fumaça na roupa, portanto me ajuda indiretamente. Sei que muitos amigos meus vão ter problemas, mas a maioria deles ou já se conformou, ou até achou boa a idéia, portanto, não haverá impacto negativo nenhum na minha vida social imediata.

Sempre achei bom combater o fumo, mas nem sempre os fumantes. O que está me incomodando agora é ouvir aquelas pessoas absolutamente intolerantes, que sempre criticaram de forma exagerada o tabagismo e, mais do que isso, criticavam os tabagistas, andarem pelos cantos jactando-se da lei. É a vitória dos chatos, infelizmente.

segunda-feira, agosto 10, 2009

W.O. (again)

Já terminei um namoro uma vez por W.O.
Como? É simples. Você liga, a pessoa não atende. Você deixa recado, a moça não retorna. Você manda e-mail pra saber se tá tudo bem, não vem resposta. Você pergunta pra amiga que trabalha com ela, mas ela também não tem falado com a amiga.
Ou seja, após uma semana nessa situação, foi iniciada a contagem regressiva. Quinta-feira é o deadline para mais um W.O...
A partir de quinta, poderei voltar a cantar a canção abaixo (um clássico!)...

quarta-feira, agosto 05, 2009

Chaves

Hoje (05/Ago) assinei o contrato na Caixa. É o fim dos problemas do casal que me vendeu o apê. E é pra mim o começo de dívida, reforma e (em breve) muitas alegrias!

Espero e fico projetando que o apê me traga muitas esbórnias, noites de pouco sono (não por insônia), manhãs com muita louça pra lavar (sobretudo copos).

Já tenho as chaves e a cerveja tá paga. Quando a reforma acabar, vou precisar de amigos. Alguém se candidata??

domingo, agosto 02, 2009

Gênio indomável

O mundo conheceu hoje 2 peças novas-antigas do Mozart. Segundo especialistas que analisaram os manuscritos, as obras teriam sido compostas pelo gênio aos 8 anos e transcritas pelo pai, já que o prodígio ainda não havia aprendido notação musical.

O que confirma que ele tinha 8 anos? A época do documento e certa imaturidade, patente pelos excessos de virtuosismo demandado ao executor das peças. O que confirma que eram do Mozart? Segundo o próprio intérprete, especialista em instrumentos de teclado antigo (e.g. cravo), ele teve de se esforçar muito pra acompanhar os saltos e as aberturas solicitadas pelo guri. Uma peça daquela envergadura técnica e características só poderia ser dele.

Mas o que impressiona, além da precocidade e da qualidade das músicas (afinal, são obras do Mozart, cacete!), é uma estatística básica de que só me dei conta agora. O Amadeus começou a tocar com 3 e compor com 5 anos, tendo vivido até os 35, acumulando 600 composições, o que significa uma média 20 composições por ano!

Considerando que não eram composições como "Dança da motinha", mas sim umas 40 sinfonias (do nível da 'Flauta Mágica'), uns tantos Noturnos, e umas quantas Sonatas... considerando que, no caso das sinfonias, ele compunha, arranjava e escrevia partituras pra dezenas de instrumentos (e não apenas o piano)... e considerando ainda que foram 20 por ano, quer dizer que ele compôs 2 daquelas obras espetaculares a cada mês!!!

Bom, dito isso, acho que podemos tirar no mínimo 3 importantes conclusões irrefutáveis:
(1) Dá pra entender por quê há muitos anos a humanidade parou de atribuir o título de "gênio" às pessoas, mesmo àquelas com alto QI e elevada distinção.
(2) Dá pra confirmar que o Mozart merecia esse título de "gênio" e mesmo estando morto há 250 anos ele continua sendo "o cara" na música.
(3) Dá pra compreender por quê a Renault resolveu batizar aquele belíssimo tom de AZUL do Twingo com o nome de "AZUL MOZART". Que orgulho que me deu agora!!!

Fraulein, once more

Contexto:
Normalmente, a Fraulein vem às segundas.
Excepcionalmente esta semana, ela veio na quinta.
Eu peço pra ela trocar toda semana os lençóis.

Bilhete:
marcio descupe
por nao te dado para
mim vim antes
eu nao troquei os lençois porque nao
compençava pois
segunda eu troco
ta
obrigado mirian

sábado, julho 25, 2009

Música de Vanguarda



Vanguart (2007)
Vanguart

Quem me conhece há algum tempo sabe que eu tenho um defeito (dentre vários) que trás consequências desagradáveis pra quem me cerca. Eu gosto de música de vanguarda. O que é isso? É aquele tipo de música que é feita muitas vezes por pseudointelectuais, visando a romper com a estética predominante, aquele papo cabeça. Tipicamente, esse tipo de música cai no esquecimento alguns meses depois de aparecer.

No caso do Vanguart, banda matogrossense cujo nome já diz mais ou menos a que veio (referência à estética de Andy Warhol), talvez o futuro seja diferente. Ou não. Eles fazem um som honesto, com personalidade. Vi os caras na MTV, em programas que abrem espaço para comentários da banda, com apresentações ao vivo. O que me chamou a atenção não foi exatamente a qualidade técnica, nem o estilo, tampouco a inovação (até porque as bandas de vanguarda atualmente são sempre meio Los Hermanos). O diferencial foi a autenticidade. Eles não apenas se levam a sério como acreditam mesmo no que fazem como sendo bacana. E considerando que o meio pop é repleto de bandas com problemas de autoestima, ter essa autoconfiança é no mínimo diferente. Além disso, o fato de virem a público com repertório original em três idiomas é também inovador. Não fazem versões, mas criam em Português, Inglês e Espanhol. Aqui, um comentário sem maldade, mas sincero: o Espanhol do Helio Flanders me parece meio fajuto, mas vá lá.

As canções que prefiro (e, neste caso, estou alinhado com a crítica) são Semáforo (anterior ao álbum, de 2002) e Los Chicos de Ayer (não encontrei link). Vale a pena pra quem não liga de ter de insistir um pouco pra conseguir gostar de uma música.

Palha d'Oeste II

Outros sites que contëm palha d'oeste:
- Lavi: http://mlavi.blog.uol.com.br/
- Cynthia: http://lareina-lagatta.blogspot.com/

sexta-feira, julho 24, 2009

Palha d'Oeste

Os seguintes blogs possuem palha d'oeste*:
- Ia: http://ia-vinha.blogspot.com/
- Melis: http://womenglow.blogspot.com/

(*) Por definição, mais do que 5 dias de inatividade caracterizam o estado palha d'oeste...

domingo, julho 19, 2009

Comédia familiar hipotética em um ato

SOBE O PANO.

Uma jovem encontra familiares e amigos do "ficante", candidato a namorado, por ocasião do aniversário de seu irmão. Um primo médico e brincalhão do candidato se aproxima da mesa do quase-casal, cumprimenta o primo e interpela a jovem.

- Oi, tudo bem? Como é seu nome?
- Giuliana.
- Ah, tá. Olha, você tá de parabéns, viu?
- Por quê?
- Parabéns por estar saindo com meu primo e por ter encarado o convite dele de vir encontrar a gente. O problema é que esse meu primo sai com uma garota por semana. A gente não consegue nem guardar os nomes delas. Como é mesmo seu nome??

Uma tia, querendo ajudar o sobrinho e tirá-lo da situação criada pelo primo, se aproxima e interrompe a brincadeira.

- Olha, minha filha, não dê ouvidos, é tudo mentira. Eu NUNCA vi o Marcio sair com mulher na vida! Nunca!!!

E o encontro inusitado termina com o comentário sapientíssimo do primo.

- Às vezes, a emenda fica pior que o soneto, não é mesmo?

CAI O PANO.

Melhor assim

- Dói?
- Um pouco, mas tá bom...
- E se eu virar assim...?
- Hmm... aí só fica bom...

quarta-feira, julho 15, 2009

Ê, Santo Amaro!



Em 13/07, na Rua Guajaratuba, no bairro Campo Grande em Santo Amaro, veículo tentou atravessar córrego pela passagem de pedestres e ficou entalado... I wonder...

Só podia ser em Santo Amaro!!!


Fonte: Estadão

Fraulein (again)

marcio você
esqueceu meu
dinheiro deiche
em cima da mesa
amanhão 6 hora eu
passo aqui 6 da
manhão ta desculpe
eu bebi um
gatorade estavão
com cede não
tinha agua

domingo, julho 12, 2009

Pergunte ao House o que aconteceu com o Mickael


Já não tava agüentando mais falarem do Michael e das bizarrices dele em vida. Agora, a última novidade é a investigação sobre a real causa mortis do artista. Para uns, dentre os quais a irmã Latoya, houve uma conspiração internacional, com direito a acusação de assassinato. Para outros, o artista negro-branco-quase branco-quase-preto-de-tão-preto sofreria de uma doença rara – um tipo de lúpus.

Sobre a conspiração não vou comentar. Mas sobre o lúpus, preciso lembrar as sábias palavras do House: “It’s not lupus. It’s never lupus”.

Ditadura, não, nem de graça

Graças a Deus, a intelectuais, a ativistas políticos, a imprensa persistente e a muita gente do bem e com visão de mundo orientada à liberdade, o Brasil não corre perigo iminente de voltar a ser uma ditadura. E a estabilidade econômica com instituições sérias já existe há tempo suficiente pra soarem estranhas as atitudes autoritárias dos nossos vizinhos latinos.

Evo e Chaves vinham se destacando nas demonstrações de autoritarismo recentes, combatendo o capitalismo de formas cretinas e, pior, inócuas. Chaves virou uma espécie de personagem grotesco que tem mantido viva a pergunta do Caetano na canção Podres Poderes: “Será que nunca faremos senão confirmar a incompetência da América católica que sempre precisará de ridículos tiranos?”

Ignorando a canção e os resultados da estabilidade com liberdade, Chaves serviu de exemplo para o presidente hondurenho, Zelaya, que resolveu que queria se perpetuar no poder a qualquer custo e tentou o velho truque de dar o golpe de Estado. Suprema Corte e militares melaram os planos do líder, que acabou deposto e afastado.

Diante do conflito entre golpistas e resistentes, o presidente costa-riquenho veio servir de mediador. Embora o nome do chefe de Estado da Costa Rica seja uma piada pronta – Óscar Arias – parece que o fálico presidente, apoiado pela OEA e pelos EUA, vai conseguir convencer o golpista hondurenho a retornar ao país, reassumir o cargo e desistir do sonho de permanência no poder.

Vamos torcer para que o chavismo vá aos poucos perdendo o vigor. E se não der certo, a gente dá um jeito de mandar o líder índio pro ‘Oscar Arias’... e torce pra ele nunca mais voltar de lá!

quinta-feira, julho 02, 2009

Registro importante

Ontem, dia 01 de Julho de 2009, meu irmão, Fabio, e minha cunhada, Patricia, receberam a feliz confirmação de que eu vou ser tio. Sim, sim: EU VOU SER TIO!

Este registro é, na verdade, a minha segunda externação de parabéns -a primeira foi para eles diretamente- juntamente com os votos mais sinceros e intensos de infinita felicidade pros dois.

Começou mais uma vida, com todas as dores e delícias do convívio humano. Meu irmão inaugurou o clã dos Giachetta-Paulilo e deve ter dado uma sobrevida ao nosso pai de uns 10 anos, se bem o conheço...

Vida longa e próspera a nós todos! E que o herdeiro(a) seja bem-vindo!

sexta-feira, junho 26, 2009

Descobertas na morte

- Caraca, você viu quem morreu?
- Vi. Mas também, já era hora...
- Que isso! Não pecisa falar assim...
- Ah, era muito sofimento o que vinha acontecendo nos úlimos anos.
- Os artistas passam seus perrengues também...
- Na década de 70, eu ficava louco quando via aquela verdadeira "menina" na TV...
- Ih, rapaz, não tô te teconhecendo... tu eras chegado na "menina", é??
- Porra, claro! Aquela delícia! Mas naquela época, não recentemente. Nos últimos anos perdi o tesão total.
- Caraca, não conhecia esse teu lado boiola. Assumiu, então? Gostava daquela "delícia nos anos 70" e agora perdeu o "tesão pela menina"... Tu es boiola mas es cruel! Só porque envelheceu e começou a sofrer com a doença não interessa mais, pode morrer... é isso??
- Não é isso. É que a morte abreviou o sofrimento de todo mundo. Dos amigos, da família, do fãs... e dela mesmo...
- Haha... bichona!!
- Bichona é você! Eu adorava aquela deusa!
- Cara, pode pelo menos respeitar a pessoa morta? Não chama mais de "ela" o cara que foi um ícone da música pop mundial...
- Anh? A gente não tava falando da Farrah Fawcett??
- Não, animal. Do Michael...
- Pô, foi mal.
- Mal aê, também.
- ...

terça-feira, junho 23, 2009

Duro e sensível

- Aí, véi, vamo pra balada?
- Nem, hoje não rola, vou ficar de molho. Tem final do torneio brasileiro de jiu-jitsu amanhã. Se eu ganhar tô classificado pro mundial. É capaz de eu conseguir acesso aos Gracie, de repete rola uma vaga pra treinar com os caras... Ia ser irado!
- Caraca, tinha esquecido. Não vou conseguir ir, mas boa sorte, lá, mano! Arrebenta os caras! De tarde a gente toma uma breja pra comemorar?
- Nem, tem Casa Cor no Jockey, última semana. Os ambientes desta edição estão imperdíveis. Saio do treino e vou pra lá... Vamo aí?

domingo, junho 21, 2009

Ácido e injusto, mas o Saramago pode

Li na Folha Online um comentário do Saramago sobre os blogs. Dizia que por causa deles, hoje se escreve mais e pior. Em que pese o fato de o autor premiado ter cultura e conhecimento fora da curva, há um pouco de realidade e um pouco de incompreensão nessa ácida afirmação.

Na verdade, o próprio autor do "Ensaio sobre a cegueira" se deixou seduzir pela blogmania e criou seu espaço (o endereço está e esteve desde que foi criado, há uns 6 meses, na minha lista de links aí do lado). A diferença é que o romancista Português não escreve diretamente no site, mas sim divulga seus posts através de um assessor. Mas mesmo tendo sucumbido ao novo canal de comunicação (mais por influência dos seus editores que por curiosidade própria), o autor afirma que dedica a cada post o mesmo cuidado dispensado a um romance (o que talvez não lhe permita compreender porque as pessoas escrevem de forma diferente na Internet).

De fato o texto de um blog tende a ser mais curto, informal e descompromissado com as regras da norma culta. Mas acredito que o que se perde em forma e rigor se ganha em inovação e criatividade. Os posts-pílula permitem que a gente conheça mais de seus criadores, vivencie seus dilemas existenciais e compartilhe suas opiniões de forma ampla, que raramente acontece na literatura escrita. Alguém conhece a visão de mundo do Saramago, exceto pelo que se vê nas eventuais entrevistas que ele conceda? Claro que não, simplesmente porque o meio escrito não viabiliza esse grau de intimidade, como faz o blog.

Um post tem múltipla finalidade: desabafo, confissão, autoentendimento ("o novo divã", como diz minha amiga), busca por compartilhadores de afinidades, desejo de expressão. E muitas vezes, mesmo um post curto, contém todos esses elementos juntos. E para atender a certas finalidades enumeradas, a dinâmica é mais importante do que o esmero, daí a imprecisão inerente do canal. Eu por exemplo, quando escrevo um texto um pouco mais longo e estruturado (como este), procuro fazê-lo com atenção à grafia. Mas quando comento ou crio posts com idéias curtas e voltadas para fim menos nobre, não raramente omito cedilhas e acentos, atropelo as ênclises e ignoro normas de estilo. E ainda assim, acredito que há ganho nessa opção.

Em outras palavras, não discordo totalmente do argumento do pai do "Evangélio segundo Jesus Cristo", mas acredito que o distanciamento e o baixo interesse em relação aos blogs acabaram por impedir seu pleno entendimento. Blogs são bons porque são imperfeitos e inesperados como a vida - aí está seu valor e sua graça.

Nem por isso deixarei de ler os romances (e o blog!) do escritor lusitano. Mas cabe ainda um último pensamento: não é estranho ouvir uma crítica à falta de formalismo do blog vindo daquele que construiu uma carreira na literatura em função da criação de um estilo inovador, inusitado e não formal de composição, baseado na destruição da pontuação e dos períodos da norma culta?

segunda-feira, junho 15, 2009

Novo clássico da Fraulein

Tive que desligar a maquina
para passa roupa si liga 2 junto
cai a xave nao secou o lenço deixei na
maquina ta

sexta-feira, junho 12, 2009

7 posts para os Namorados

Olhem aí embaixo os 7 posts que escrevi em homenagem ao Dia dos Namorados.
Por que 7? Porque este ano completei 7 anos solteiro... Ufa, finalmente acabou o castigo! Nunca mais vou beber sem brindar (nem brindar sem beber)!

Ultimato apaixonado

- Você tem 5 milhões de anos pra sair da minha vida!
- Ok, mas acho pouco tempo pra conseguir te esquecer...

Paixão de infância

- Você lembra de quando começou a gostar de mim?
- Não, eu não tenho lembrança de antes dos 5 anos de idade...

Epitáfio apaixonado

Desculpe, linda, vou ficar longe um tempo. Mas quando a gente se reencontrar, vai parecer uma eternidade!

Paixão suicida

- Se você me deixar um dia, eu me mato...
- Não tem problema. Se eu te deixar, já terei morrido. Aí eu te recebo no além pra a gente continuar junto pra sempre...

Paixão assassina

- Se você me deixar um dia, eu mato você!
- Se eu for burro a esse ponto, é melhor morrer mesmo...

Paixão sonâmbula

A moça volta a dormir, nos braços do namorado. Em sonho, ela puxa conversa:
- Você ainda me ama?
- Acho que sim, mas não dá pra ter certeza porque eu apaguei da minha memória como era viver sem você...

Paixão insone

A moça acorda repentinamente, abalada com o pesadelo que teve e assusta o namorado.
- Tá tudo bem?
- Nossa, tive um sonho horrível! Eu tava num lugar estranho, fétido, cercada de uma bando de gente asquerosa, apontando o dedo na minha cara e rindo de mim, me espezinhando, me expondo ao ridículo, jogando coisas na minha cara, segredos antigos, que eu mesma tenho vergonha de lembrar, às vezes... Nossa, foi péssimo. Eu não tinha pra onde fugir, nem conseguia me livrar daquilo... E você nem tava lá pra me ajudar...
- Eu tava lá, sim. Só não te tirei de lá antes porque eu sabia que era só um pesadelo. E eu não podia aparecer antes e ouvir as coisas que te envergonham, porque são segredos seus e eu não queria correr o risco de te fazer lembrar deles um dia. Mas pode deixar que eu gravei bem a cara daquela gente. Eles me pagam...

Como matemático, um cantor tapado

O Junior, irmão da Sandy-e-Junior e filho do Chitãozinho-e-Chororó, foi ao programa Irritando Fernanda Young. Lá, brindou os expectadores com uma dica lógico-matemática de deixar o Malba Tahan de queixo caído.

Afirmou o pequeno moicano que "estatísticamente" é mais fácil ganhar no par-ou-ímpar se você escolher par.

Por quê?

"É só pensar", sapecou a sertaneja mente brilhante.

"Se um põe PAR e o outro ÍMPAR, dá ÍMPAR.
Se um põe PAR e o outro PAR, dá PAR.
Se um põe ÍMPAR e o outro ÍMPAR, dá PAR.
Portanto, são 2 chances de PAR contra uma de ÍMPAR."

Não sei vocês, mas eu achei ele um asno.

terça-feira, junho 09, 2009

Furo de reportagem

Lembrei hoje de quando o finado Tom Jobim comentou, em entrevista concedida à TV Cultura, um acontecimento inusitado envolvendo o "mestre" Villa-Lobos.

Entre baforadas de charuto aspirado através de uma piteira que lhe havia presenteado o próprio maestro, Jobim narrava a empreitada de uma jornalista novata, na tentativa de extrair novidades em exclusividade do autor das Bachianas, abordando-o no aeroporto enquanto voltava ao Brasil de viagem aos Estados Unidos.

Não sabia a jornalista, ou teria ignorado tal informação, que o Villa-Lobos havia ido ao exterior para tratamento de saúde.

- Maestro, atualmente o que o senhor está compondo?

- Minha filha, eu no momento estou "decompondo"...

segunda-feira, junho 01, 2009

Ironia do destino

Como dizia o poeta, o acaso é um guri bem matreiro (no caso, o poeta sou eu mesmo - vejam aqui).

Digo isso porque vi nesta reportagem que a GM americana pediu mesmo concordata. E foi inevitável lembrar de quando fui trabalhar na subsidiária brasileira desta ex-gigante automobilística, em 1997, e, mais ainda, de quando pedi demissão, em 2000.

Lembro que quando pedi as contas, um colega de 50 e poucos anos, veterano do departamento de compras, daqueles que admirava o "seu Andre Beer" (famoso executivo da GM), comentou comigo:

- Você vai ter coragem de sair de uma GM pra ir pra uma empresa "ponto-com"?

Eu eu tive, pra espanto daquele comprador. Agora, menos de uma década depois, aquela gigante desmoronou. Enquanto isso, aquela ponto-com... bom, aquela ponto-com virou pó há muito mais tempo (não precisou nem crise financeira global).

O destino é mesmo irônico: de onde você menos espera, é dali mesmo que não sai nada...

As quatro estações do destino (ou Apocaliptica)

a sina é a primavera das estações do destino,
a que inicia um ciclo de incertezas e perigos:
para uns é regra,
para outros, senão.
mas todos convêm que sempre existe um senão.
se o sujeito distrai, descuida,
a sina desmantela as folhas, o caule e a muda.
— a sina é coisa que não se muda.

o acaso é um guri bem matreiro,
apronta o que pode com as gentes:
cutuca de um lado,
aperta do outro,
devagarinho chega aonde quer.
e quando se dá conta,
perdeu-se um amigo, um noivado, uma vida.
— o acaso pode acabar com uma vida.

a sorte é irmã caçula do acaso.
tem jeito de boazinha, a dissimulada:
finge que é benção,
que é graça divina,
redenção para o bom samaritano.
mas quando se olha bem no olho da bruta,
brota um gosto de fel, de saliva de cobra, de lama.
— a sorte pode levar o sujeito à lama.

o azar é o primogênito da família
dos quatro irmãos de má conduta:
vai direto ao ponto,
não tem firula.
se pode chutar a cabeça, ele chuta!
e não tem papo de veja bem, lero-lero.
o azar é maldito no começo, no meio e no fim.
— o azar quase sempre é o fim.

quarta-feira, maio 27, 2009

Coming soon: new posts

Agora, só vou conseguir postar no fim de semana.
Esta mensagem será a mais curta - praticamente um twitter.

terça-feira, maio 19, 2009

Esta noite será um teste

Vamos ver se o tarja vermelha que meu psiquiatra recomendou funciona. Não é nada demais, é apenas um indutor de sono. Para os dias em que a ansiedade me faz querer pular a noite e continuar logo no dia seguinte, embora eu quisesse mesmo é estar no mês seguinte, quando tudo que está em processo (lento) de execução atualmente já terá terminado. Paradoxalmente, a ansiedade não me faz mais eficiente, nem me dá mais energia pra conseguir superar as dificuldades. Ela só atrapalha, tira o sono, tira o ânimo, o sabor das coisas. Nos dias de agonia ansiosa (como hoje), vem uma sensação de frustração, de pequenez, de fome, de que o tempo está voando e eu fiquei inerte, de que eu não consigo fazer as coisas direito. E mesmo sabendo que normalmente faço melhor que outros pares, continuo me achando mediocre. Ah, vermelhinho, hoje é a prova dos nove...

Ganhei (perdi) meu dia...

Já que o "blog é o novo divã" (plagiando uma amiga minha)...
Já que quando o urubu resolve sentar no nosso ombro a gente tem que esperar ele terminar de cagar...
Já que uma desgraça nunca vem só...
... deixa eu aproveitar pra desabafar as mágoas de uma vez!
Quem sabe se assim eu amanhã levante melhor...

É que eu perdi de novo esta semana. Como diz o ditado: "azar nos negócios, desgraça no amor". A mulher que eu havia planejado, durante a semana passada, encontrar nesta semana após longa data, teve de viajar pro Rio e passar a semana toda. Tivemos alguns desencontros como esse antes e ela costuma se casar nessas ocasiões. Não é só nas negociações imobiliárias que eu perco o timing.

E pra encerrar de vez esta safra de azares, vou citar o poeta (Drummond*):

Ganhei (perdi) meu dia.
E baixa a coisa fria
também chamada noite, e o frio ao frio
em bruma se entrelaça, num suspiro.

(...) eis que assisto
a meu desmonte palmo a palmo e não me aflijo
de me tornar planície em que já pisam
servos e bois e militares em serviço
da sombra, e uma criança
que o tempo novo me anuncia e nega (...)


(*) Trecho de "Elegia", poema clássico do autor, que sempre lembro quando o corvo pousa no meu ombro. Pois é, minha memória tem flashes de uma época em que ela funcionava bem...

Perdi

Eu sou péssimo em negociações, tenho que adimitir. Sou ruim em outras tantas coisas, mas acho que não levo jeito mesmo nessa arte de obter vantagens através da argumentação.

Há 3 semanas comecei a negociar a compra do apartamento acima do meu. O prédio é bom, as vagas também e o apartamento estava lindo. Precisava de uma reforma, mas não seria muito longa ou dispendiosa.

Eu fiz aquilo que reza a cartilha da negociação: defina seu limite, ofereça menos pra chegar onde você quer, pra fazer uma concessão encontre um bom argumento, derrube os exageros do seu interlocutor com fatos concretos.

Até hoje às 20hs eu estava convicto que tinha feito tudo certo. Eu havia feito uma proposta pouco abaixo do que o vendedor queria. Senti que ele esteve perto de dizer sim, mas queria tentar algo melhor. Eu, pra ser sincero, poderia ter pago o que ele pedia, mas achei que estava exagerado e confiei no meu poder de barganha.

Meus planos eram fazer mais uma rodada de oferta, desta vez pra fechar. Só esqueci de combinar com o resto do mundo: nesta semana apareceu alguém que achou que valia a pena pagar o que o ex-proprietário pedia.

E me deu uma sensação de derrota, porque agora que sei que alguém ofereceu o preço pedido, não consigo acreditar mais na hipótese de que este comprador seja um mal negociador, mas apenas na de que eu fui demasiadamente ambicioso ou lento.

Ouvi ruidos de móveis sendo arrastados, preguinhos sendo colocados na parede. Indícios de gente feliz no lugar em que eu cheguei a planejar a decoração. Sorte para o novo morador.

Parto enquanto é tempo...

Diante de grandes desafios, eu sempre usei as expressões "parto de lagosta" (imaginando a dor que o crustáceo-mãe sentiria com aquele monte de patinhas beliscando as paredes do orifício de saída), "parto de cócoras" (pensando na humilhação da posição, embora digam que há benefícios nesta escolha) ou "parto de porco-espinho" (por razões óbvias, já que a saída do feto cravejado de pontas não deve ser nada agradável).

Hoje inventei mais uma: "parto de elefante". Esta expressão não é tão óbvia já que embora o neonatal tenha 100 kg, a mãe tem 4 toneladas. Mas é que descobri hoje que o parto de elfante dura 38 horas (ou pelo menos este durou, e foi televisionado)! Ou seja, quando o desafio for daqueles que parecem que não vão acabar nunca, podem sapecar sem cerimônia: "mas que parto de elfante, cacete!".

sexta-feira, maio 15, 2009

Em busca da terapia ideal*

A sala do terapeuta se abre, eu entro. Após um rápido cumprimento formal, pois é a primeira consulta, eu me sento na cadeira em frente a ele.

- Então, eu vim procurar terapia porque...
- Não precisa dizer mais nada, Marcio. Eu tenho aqui uma pílula. Você precisa tomar uma destas a cada 12 horas, durante 4 dias seguidos. Ao término do tratamento, todos os seus problemas estarão resolvidos. As angústias, esquecidas. As dúvidas, apaziguadas. As inseguranças, superadas. E as necessidades, atendidas, como num passe de magica.
- Poxa, muito obrigado!
- Ah, e by the way, vc me deve 39 reais pelo tratamento.


(*) Não adianta o D2 vir atrás de mim falando em plágio, que eu não mudo o título deste post...)

segunda-feira, maio 11, 2009

Feliz dia das mães!

Registro tardio, mas merecido, dos meus mais sinceros desejos de felicidade ampla e irrestrita àquelas mulheres que nos dão a luz, nos ensinam a comer, a andar, a entender a vida. Nos mostram a diferença entre bem e mal, o que fazer e o que evitar. Existimos e somos homens porque elas existem e cuidam de nós a vida toda, mesmo quando estamos sozinhos.

E à minha querida mãe, que já não habita este mundo há tempos, um grande beijo daquele menino risonho e hiperativo que nunca lhe deu sossego e sempre lhe amou velada mas profundamente.

Feliz dia das mães!

sexta-feira, maio 08, 2009

Fun fact of the day

Eu estava indo ver o 15o apartamento à venda em Moema. Tinha acabado de visitar um junto com o corretor chileno, guiado pelo próprio morador (que ainda é morador). Notei e comentei com o dono que pra mim seria melhor reformar, fazer uma suìte, criar um lavabo, abrir a cozinha e um quarto, pra ficar com uma sala grande e cozinha americana. A respota do proprietário foi: "é verdade, igual ao que está fazendo o meu vizinho aqui do lado, que está reformando. Acho até que dá pra você ver".

Fomos ao apartamento ao lado, sem ninguém, mas que estava aberto. Batemos na porta, entramos, demos uma olhada. O comentário geral foi: "vai ficar bem legal este apartamento". Mas resolvemos sair logo, afinal não tinha ninguém lá, pegava mal ficar entrando assim sem mais, nem menos.

No térreo, quase na portaria, avistei uma pessoa conhecida. Ela me avistou, com cara de quem me conhecia e não acreditava no que via. Quase ao mesmo tempo dissemos: "você aqui?". Era a Marisa (do Kaká) e o apartamento do vizinho que nós visitamos sem autorização é o do Beto. Coisas de um mundo pequeno (ou
de uma Moema menor ainda).

Agora, já pensaram se depois de tanto olhar apartamento eu acabo virando vizinho do Beto? Acho que o QG geral do grupo vai deixar de ser no Paraíso e vai migrar pra Jauaperí! rsrs... Pensei...

segunda-feira, maio 04, 2009

Sobradinho

Eu sei que existe uma explicação meteorológica qualquer. A ciência explica tudo (boa parte, só depois que acontece). Mas tá bizarro esse negócio de seca no Sul e enchente no Nordeste. Ah, e de quebra um vendavalzinho de 80Km/h no Sudeste (São Paulo), com direito a árvores sobre os parabrisas e uma dor de cabeça enorme pra convencer o seguro a pagar o estrago. Sem contar os nossos corajosos limpadores de vidraça alpinistas, que evoluíram para um esporte misto de alpinismo, rapel e balanço...

Só consigo lembrar daquela canção da então dupla Sá e Guarabira, que aprendi na infância:
O sertão vai virar mar
Dá no coração um medo que algum dia o mar também vire sertão...

sábado, maio 02, 2009

Astronomia

— Melancolia nostálgica


quando menino,
fitava demoradamente o céu estrelado
sempre em busca de uma estrela cadente
de brilho raro, embora efêmero.
sobre ela eram mil as estórias de graças alcançadas
—sobre as outras, só se sabia a Astronomia.

varrendo o firmamento
em busca do sonho cadente,
desperdiçava o espetáculo evidente
do Cruzeiro do Sul,
das Três Marias
e das pequenas luzes de brilho intenso
que compõem a constelação de Escorpião.

assim seguiram-se os anos:
o mistério ofuscando a obviedade;
a abundância fomentando a indiferença.

hoje,
quando o ar metropolitano oculta a imensidão astral
e nada se vê através da calota cinzenta,
o que me conforta o espírito
não é a imaginação das tais estrelas
em queda sobre a linha do horizonte,
mas a lembrança saudosa
do Cruzeiro,
das Marias,
e do rosa-avermelhado de Antares
escondidos atrás da cortina de fumaça.


Marcio Giachetta Paulilo
São Paulo, 01 de Julho de 2002

terça-feira, abril 28, 2009

Tô carente...

...
eu podia tá robando,
podia tá matando,
mas no lugar disso, tô aqui, postando,
e comentando no blog de todo mundo aí do lado...
mas vcs acham q isso resolve alguma coisa?
q o 'serumano' se sente d'alguma forma obrigado a retribuir?
q o 'serumano' acaba cedendo e postando de volta?
nada...
o 'serumano' te abandona...
larga vc e seu blog sem amigos...
sem comentários...
sem mensagenzinhas de apreço...
sem mandar vc às merdas, q 'seje'...
fica tudo assim como está:
o serumano lá e vc aqui...
isolado...
sem amigos...
sem comments...
sem afago na cabeça...

não reparem, não: foi só um vale de sofrimento entre duas depressões profundas...
postei...

segunda-feira, abril 27, 2009

Orkut deprime

Entrei no Orkut agora e me atualizei com novas fotos de 3 casamentos, 2 nascimentos, 3 mudanças de perfil no status de 'solteiro' para 'em relacionamento'. Que perseguição! Uma amiga minha que escreve muito bem e ajuda seres humanos a viverem melhor diria: 'esmaga meu coração! 2000 e love"...

Gripe suina tem um lado bom...

Dizem que é pra evitar ir ao México, fazer apenas as viagens absolutamente necessárias. Ok, no need to insist!

segunda-feira, abril 20, 2009

A essência do pensamento cotidiano

O título acima é do meu livro de crônicas, publicado em 2002, escrito em 1995. Foi difícil publicá-lo e não foi uma publicação de fato, já que eu banquei a produção e a festa e não houve tiragem posta à venda em lugar algum - os exemplares produzidos limitaram-se à noite de autógrafos.

Mas como já foi mesmo e pelo menos os amigos estavam todos lá - sempre os amigos pra salvar a gente - costumo dizer que publiquei, mesmo sendo tecnicamente falso. E agora, por outra sugestão de amigo, vou postar as histórias todas no blog que fiz na época para contar a saga da publicação.

Clique aqui pra ler o livro na integra.

quarta-feira, abril 15, 2009

Mas já, fióte? Continua, vai...

Ô, Evo, meu nego, já parou com a greve de fome, indinho?? Mas tá com pressinha, fofo? Num guentô a larica por mais de 5 dias? Por que não ficou mais uns 50 dias sem comer, coisa ruim? Ah, seu sou o Congresso boliviano... Pôxa, eu tava ficando tão empogado com a idéia de ver o asteca definhar até voltar ao pó de que veio... Ah, que pena! Malditos acordos com a oposição!

terça-feira, abril 14, 2009

Merda

Dia ruim no trabalho. Dia de más notícias para alguns. Não estou entre os alvos das más notícias, nem fui o portador delas. Escapei da parte suja. Mas me projetando nos sapatos (ou na pele) de quem está diretamente envolvido, confesso que não gostaria de estar em nenhum dos lados. Ossos do ofício, eu sei. Mas que é uma merda, é...

quarta-feira, abril 08, 2009

domingo, abril 05, 2009

15 anos de novo

Eu queria voltar no tempo e ter 15 anos de novo. Há coisas ruins nessa ideia - inseguranças, primeiras-vezes, acnes -, mas há outras coisas espetaculares - mais energia, menos peso, mais planos, mais expectativas, menos medos, menos a perder... e, no meu caso, uma coisa muito especial: agilidade, técnica aguçada e muito tempo pra estudar violão todos os dias.

Essa nostalgia toda se deve ao fato de eu estar tentando aprender violão flamenco. Não aquelas bobagens pseudoflamencas que alguns violonistas capengas fazem. Estou falando sobre the real stuff. E posso dizer: é foda, muito foda, sobretudo quando não se tem mais 15 anos.

Se alguém se quiser sentir pequeno e miserável como eu, veja o mestre Paco no vídeo abaixo. Ah, como eu queria voltar no tempo...

sábado, março 28, 2009

PAPO HIPOTÉTICO NA SALA DE DEUS (réplica)

(Este texto só será integralmente entendido se você ler antes este outro).

--- TRAGÉDIA EM DOIS ATOS ---

Fico sabendo que o Duda, meu grande amigo na Terra, que teve a falta de sorte de falecer junto comigo, conseguiu agendar uma audiência com Deus. E diziam as boas línguas -no céu não entram as más- que o Duda tinha conseguido "benefícios especiais do Todo-Poderoso". Falava-se pelos corredores do Paraíso em 2 dias de sobrevida, uma plástica para embelezamento que o teria deixado a cara do Vanderlei Cardoso e um pacote grande de Rufles. Achei o acordo um pouco bizarro, mas entendi o Duda, afinal é preciso fazer concessões pra conseguir a sorte de voltar. E conhecendo-o bem, sei que ele topa quase tudo por um pacote grande de batata.

Diante daquele precedente, achei que poderia ter a mesma sorte. Entrei na Intranet do Éden e preenchi o formulário. Todo mundo (que morre) sabe que esse formulário existe só pra conter a impaciência dos desesperados, pois Ele é misericordioso mas não tem tempo pra atender toda reclamação. A maior parte dos recursos é indeferida por Querubins, mas isso dá tempo ao Senhor para acalmar as almas inquietas.

Pra ter sucesso no meu pedido eu precisava de uma argumentação contundente. Dessa forma talvez a triagem fizesse meu documento chegar às mãos d'Ele. Além dos dados pessoais e de um anexo com anedotas sobre anjos, escrevi no campo de comentários: "Eu sei de coisas."

Imediatamente após dar "submit" no site de Deus -que tinha o apelido de Isto sim é um Portal- sou chamado na antesala do Divino. Bati na porta, um pouco temeroso.

- Entra!

- E aí, Deus? Belê?

- Opa! Belê, Marcio. Ou melhor, Giacca. A maioria te chamava assim, né?

- Sim, sim. Bom, antes de mais nada, agradeço muito que Você tenha me recebido.

- Que isso! Manda! Como é que Eu posso ajudar...

- Primeiro eu queria explicar o que eu tava pensando quando escrevi aquelas coisas no formulário...

- Hahaha... não tem jeito, todo mundo esquece...

- Puts, é mesmo. Bom a onisciência vai me ajudar bastante agora. Você sabe, eu queria saber se eu posso voltar também.

- Isso todo mundo quer. Mas Eu não posso atender a todos. Imagine a confusão que seria. Iam achar que tinha algum médico eu guru rescucitando as pessoas em Meu nome. Eu ia acabar recebendo um crédito muito maior do que tenho de fato.

- Não seja modesto. Você é considerado um Deus por muitos!

- É Nóis... mas o Duda tinha um bom motivo. Ele assistiu ao Gomorra em DVD, inteiro, menos os letreiros. Você não...

- ... mas só porque não tinha na locadora, senão teria visto. Lembra?

- Véio, o que que vocês têm na cabeça? Graças a Mim que não tinha! E tem mais, se Eu tiver que devolver todos os minutos perdidos com esse filme, Minha vida vai ser um inferno!

- Tá bom, vamos esquecer este. Mas eu também perdi tempo pra cacete: estudei Engenharia...

- Tua escolha. E olha, que teve um monte de gente que tentou te prevenir. Essa você vai ter que arcar sozinho.

- Eu vi Razorback, a trilogia do Chuck, aquele filme Finlandês, o Idiotern. Até filme indiano eu vi!

- Nossa... isso foi um erro Meu.

- O filme?

- Não, a Índia... mas, de novo, não lembro de ninguém te empurrando pra dentro da sala de cinema.

- Vi um monte de filmes Brasileiros, até de porno-chanchada...

- Puta merda! Aquelas calcinhas laceadas eram terríveis! E era sempre o Nuno Leal Maia ou o Vanderlei Cardoso... aliás, você viu o Duda como ficou depois da plástica?

- Não vi, mas me falaram. Pai, longe de mim fazer uma crítica a'O Senhor, mas achei pesada essa punição. O cara vai ter dois dias, podia se divertir muito mais sem a cara do Vanderlei...

- Negão, "there's no free lunch", tá ligado? Mas péra aí! Quem falou em 2 dias?? Eu disse 2 horas e 11 minutos, nem o tempo dos letreiros eu autorizei!

- Bom, o que circula por aí, que o Senhor me perdoe por trazer uma informação nova pr'O Senhor, é que o Duda ganhou 2 dias, a plástica e um pacote de Rufles.

- Foram 2h11 e a plástica. A batata ele pegou da cozinha antes de voltar.

- Bom, eu fiz outras bobagens. Algumas eu não quero ter de contar, embora eu saiba que Você sabe do que se trata. Mas teve coisas que poderiam me valer pelo menos um tempinho...

- Tipo?

- Eu tentei ler a Antígona. Não consegui terminar, mas tentei. E tentei ajudar o Duda, na medida do possível...

- Giacca, vamos esquecer esta história, que Eu quase te mandei pro concorrente!

- Tá bom, mas eu juro que não fiz com dolo!

- A gente sabe, só o Duda acha que não. Mas já que você não tem nenhum argumento realmente convincente, vou te pedir pra voltar pra sua nuvem e tocar um violãzinho pra Nóis. Manda um Bachianinha aí, pode ser?

- Pode! Mas eu tenho uma última tentativa! Eu fiz cagadas enormes também. Tive até um Twingo! Lembra?

- PutaqueMepariu!!! Mano, digo, Filho, que merda foi aquela?? Twingo é muito tempo perdido, você tem razão! Ainda mais roxo!

- Como é?

- Twingo roxo!

- Não era roxo, era azul! AZUL MOZART!

- Chega, Giacca. Aquela merda era roxa. Eu sou Divino, não cego.

- Caceta, véio! Quantas vezes eu vou ter que repetir: AZUL MOZART!! Você tá se achando Todo-Poderoso, né?

- ROXO!

- AZUL!

- ROXO!!!

Nosso querido Pai é mesmo misericordioso e tolerante. Mas desaforo tem limite. Ele não gostou quando eu agarrei Ele pela barba e nós saimos rolando pela sala. Mandou chamar os Arcanjos, Querubins e parece que até Nossa Senhora mandou um fax consternada com o acontecido.

O Divino pensou em me mandar pro Inferno. Mas diante da quantidade enorme de reservas que existiam lá pra amigos meus -Paulão, Sil, Pina, Dentinho, Cy, Mélis, Beto, Miel, Naninha, Lavi, Cacá, Marisa, Rafa, Dani, Pedro, Dani, Fabio, Tânia, Walter e até meu irmão e a Patricia, além de mais um monte de gente conhecida- Deus acabou desistindo da ideia. Achou que eu ia até gostar de ir ter com o Diabo. No lugar disso, pensou numa pena mais adequada.

--- FIM DO PRIMEIRO ATO. COMEÇO DO SEGUNDO ---

O Duda abre os olhos e percebe que não era um sonho. Está de bruços na cama e Deus realmente lhe concedera 2h11min de sobrevida, pra ele curtir da forma que ele mais gostava: comendo batata na cama, cochilando. Ele tira uma pestana. Acorda de supetão, de repente, e levanta com os olhos arregalados e uma expressão de terror no rosto, sem acreditar no que ele vê. Era eu, diante dele, apenas de cueca, escovando os dentes e dizendo:

- Duda, cumé? Cumé, Duda. Hein? Cumé?...

--- FIM DA TRAGÉDIA ---

P.S.: Esta história requer conhecimento de fatos que não são autoexplicativos. Sinto muito, um dia eu explico o contexto.

E.T.: O suplício durou 2h11 exatamente. Depois disso, ambos fomos encaminhados ao Inferno pra uma temporada passageira, onde havia inúmeras beldades conosco. Finalmente, a gente se deu bem!

domingo, março 22, 2009

Comê tatu é bom!

Eu vou me apropriar de uma história vivida pelo meu amigo Duda. Ele bem poderia colocar este caso no blog dele, que por sinal é sensacional, mas como a protagonista é uma amiga dele, é grande o risco de transformar o conto numa novela com final infeliz.

Duda e duas amigas no carro. Uma delas, de 21 anos, virgem publicamente assumida, resolve comentar que finalmente entendeu o que os Mamonas Assassinas queriam dizer com aquela frase "comê tatu é bom, que pena que dá dor nas costas".

Silêncio e tensão no carro, pois a donzela dava sinais de que, apesar de casta, já estava compreendendo coisas bizarras da vida. Duda e a outra amiga aguardando a revelação.

- É porque eu vi um anúncio da Viação Cometa. Aí eu entendi: "Cometa, tu é bom; que pena que dá dor nas costas"... todo mundo sabe, né gente, que andar de ônibus é horrível mesmo pra coluna...

Mal estar no veículo. Duda olha pelo retrovisor, buscando uma expressão de sarcasmo na face da virgem. Nada. Ela não estava brincando. A donzela de fato não havia entendido o significado da música e agora estava cada vez mais longe de qualquer sinal de malícia. Como o Duda é um cara educado, contentou-se em dizer: "cara, você ainda não entendeu a música...".

Agora vejam como Deus é sábio. Se fosse eu naquele carro ouvindo o comentário da moça e ela teria me visto esclarecer a canção, provavelmente fazendo um gestual grotesco, mostrando os desafios envolvidos na cópula com o animal de exoesqueleto. Deus sabe mesmo o que faz...

domingo, março 15, 2009

Lanche (e amor) de mãe

Eu e meu irmão mais velho (Fabio) estudamos violão com o mesmo professor, o Alberto Ykeda. Tínhamos aulas particulares individuais, um após o outro, numa sala do Friburgo, colégio onde estamos a vida toda. Isso acontecia uma vez por semana, toda semana, durante alguns anos.

As aulas eram no fim da tarde e invadiam o horário do jantar. Por isso, minha mãe resolveu que a melhor saída seria preparar uns lanches para nós. Enquanto meu irmão tinha aula, eu comia o lanche e aguardava do lado de fora da sala, junto com minha mãe. Depois, era vez de eu ir tocar, enquanto meu irmão fazia o lanche dele, do lado de fora, com minha mãe do lado.

Ela preparava os lanches seguindo sempre o mesmo ritual: um pra mim, um pro Fabio, outra pra ela, este cortado ao meio. Assim, ela nos acompanhava nas aulas e jantava com os dois filhos, comendo uma metade do lanche com cada um. Foram tempos muito felizes, que me fazem lembrar com saudade de minha mãe.

sábado, março 14, 2009

Mandamentos Masculinos

Recebi de um amigo semicarioca (Pili) um desses e-mails com baboseiras que circulam pela Internet, sem autor reconhecido, que a gente normalmente deleta após ter lido metade. Mas nesse caso li até o fim e resolvi eternizar através deste bologue. Não que o texto seja genial, mas achei bem engraçado...

Ah, e é bom lembrar que meu Twingo era AZUL MOZART e não Azul Céu. Portanto, eu não desrespeitei o mandamento número 19...


MANDAMENTOS MASCULINOS

1: Sob nenhuma circunstância dois homens devem dividir um guarda-chuva.

2: É liberado para um homem chorar SOMENTE quando:
(a) Um cão herói salva o seu mestre.
(b) No momento que a Angelina Jolie começa a desabotoar a blusa.
(c) Após bater o carro do chefe.
(d) Ela começa a usar os dentes.

3: Qualquer homem que levar uma câmera para uma despedida de solteiro pode ser morto legalmente e ter seus pedaços grelhados pelos seus amigos.

4: Se você conhece um cara por mais de 24 horas, a irmã dele está fora de limites, a não ser que você case com ela.

5: Reclamar sobre a marca da cerveja grátis no refrigerador do seu amigos é proibido. Entretanto, sinta-se livre para reclamar se a temperatura dela está inconsumível.

6: Nenhum homem deve ser obrigado a comprar um presente de aniversário para outro homem. Mais, até mesmo saber do aniversário do amigo é opcional. Quando sabido, você deve celebrar em um bordel escolhido pelo aniversariante.

7: Em uma viagem longa, é a bexiga mais forte que determina as paradas, não a mais fraca.

8: Você pode flatular em frente a uma mulher somente após levá-la ao clímax. Se você trancá-la em baixo das cobertas para que ela deguste o sabor da sua flatulência, ela é oficialmente sua namorada.

9: É permitido ao homem beber um drinque doce de frutas somente em uma praia paradisíaca… Se ele foi entregue por uma modelo topless e se ele for grátis.

10: Somente em situações de perigo contra a moral e/ou física um homem pode chutar outro nos testículos.

11: Amigos não deixam amigos usar sungas. Nunca. Ponto final.

12: Se a braguilha de um homem está aberta, é problema dele, você não viu nada.

13: Mulheres que dizem “amar esportes” devem ser tratadas como espiãs até que elas demonstrem conhecimento do jogo e a habilidade de beber tanto quanto verdadeiros amantes dos esportes.

14: Nunca hesite em pegar o último pedaço de pizza ou a última cerveja, mas não os dois, isso é simplesmente mesquinharia.

15: Frases que NUNCA devem ser usadas por um homem para outro homem enquanto ele levanta pesos:
a) Yeah, Baby, Levanta isso!
b) Vai cara, me dá mais uma! Força!
c) Mais uminha e vamos para o chuveiro!

16: Nunca converse com um homem em um banheiro público a não ser que você esteja em situação igual a dele. Exemplo: Ambos urinando, ambos na fila, etc. Para todas as outras ocasiões, um balançar de cabeça quase imperceptível é o suficiente.

17: A manhã após você e a garota que era “Apenas uma amiga” tiveram uma troca de fluídos selvagem, quente e bêbada, e o fato de você sentir-se estranho e culpado não é uma razão óbvia o bastante para não pegá-la novamente antes que ocorra aquela discussão sobre quão grande fora aquele erro.

18: É aceitável que você dirija o carro dela. Não é aceitável que ela dirija o seu.

19: Um homem não deverá comprar um carro nas cores: Marrom, Rosa, Verde Limão, Laranja ou Azul Céu.

20: A garota que responde a questão “O que você quer de Natal?” com a frase “Se você me amasse, saberia.” ganha um Playstation 3. Fim de história.

BÔNUS: Todos ouvimos falar sobre um homem possuir estômago e colhões, mas você sabe diferenciá-los? No esforço de lhe manter informado, eis a definição de cada um:

- “ESTÔMAGO” é chegar em casa tarde da noite após sair com a galera, ser pego pela mulher na porta lhe esperando com a vassoura e ter a audácia de falar: “Você ainda está limpando ou vai voar para algum lugar?”

- “COLHÕES” é chegar em casa tarde da noite após uma noitada com a galera fedendo a perfume barato, com bafo de bebida e marcas de batom na camisa, bater na bunda da sua mulher e ter os colhões de dizer: “Você é a próxima!”

sexta-feira, março 13, 2009

Roubei, não nego, mas me vi sentado no divã

Sei que é feio roubar post de outros blogs, sobretudo de gente conhecida e relativamente próxima. Mas não pude resistir.

Em minha defesa, quero apenas dar crédito ao verdadeiro autor (do post, não da charge): Júlio Bahr, escritor e publicitário, pai de um grande amigo meu, Fabio (jornalista e também bom escritor).

Maravilhas da mala-direta (ou Crise de identidade)

Recebi uma mala-direta (e o termo "mala" nesse caso pode ser usado pra descrever também a encheção de saco) interessante. Por mais que eu entenda as dificuldades de se manter um cadastro atualizado e limpo, esta carta superou qualquer expectativa de desorganização.

Dizia assim:
Ap 112,
Você vive em São Paulo.
E é vizinho do mundo inteiro.

Mais adiante, o texto seguia:
Temos um grande respeito por você, Ap 112, por ser uma pessoa especial e por residir na mesma São Paulo com 455 anos de hitória. (...)

E no anteverso da correspondência, a coerência continuava:

Ap 112
Av xxxxxx, 277 - Ap 112
Indianopolis
xxxxx-xxx - São Paulo - SP

Não que eu me impressione com malas-diretas nominais, mas acho que a Abril perdeu uma grande oportunidade de me provocar alguma simpatia. Se a qualidade das revistas repetir a do cadastro, eu tô ferrado!

Mas a parte mais interessante mesmo foi a informação do boleto (sim, porque hoje em dia nego manda primeiro a conta, depois vai ver que produto ele pode entregar):
Valor: 47,43
Vencimento: 27/03/2009
Sacado: Ap 112

E como toda bosta só está completa com um chantilly por cima, o porteiro do meu prédio, ao fazer a triagem da correspondência recebida, escreveu a tinta no canto do envelope, pra não deixar dúvida:
Ap 112

Depois reclamam quando a gente tem crise de identidade...

terça-feira, março 10, 2009

Vamos começar colocando um ponto final... na Índia

Esse título genial não é meu, é do Paulinho Moska. Roubei a idéia pra dar continuidade e terminar um assunto iniciado antes, mas ainda não concluído. É sobre a minha opinião a respeito do filme indiano e da marmelada do Oscar.

No fim de semana passado, finalmente assisti ao filme Quem quer ser um milionário?, do Diretor inglês que se aproximou de Bollywood. Diferentemente da minha expectativa, admito que o filme é bem legal - tem boa história, foi bem filmado, bem editado. Ou seja, o filme é bom.

Agora, ainda na minha exclusiva opinião, it takes more than a good film to grab an Oscar. Fala sério! A história é boa mas não chega a ser original, pois recicla a ideia do filme Quiz Show (obrigado ao Pina por lembrar o nome do filme). Na película de 1994, no entato, havia trapaça de fato, o que não ocorre no filme angloindiano. O corte e o enquadramento das cenas são ótimos, mas os atores são sofríveis. As cenas de miséria, embora verídicas, me lembram aqueles filmes brasileiros que mostram informações também verdadeiras mas desnecessárias pro mundo. E, por fim, o filme nos faz torcer por um protagonista que fez muita coisa errada na vida e tem justamente na vida atribulada a explicação para sua verdade diante do programa. Só que eu me senti meio estranho torcendo por um garoto que roubou e tapeou um monte de gente pra sobreviver em meio a uma Mumbai caótica.

Quando fiz esses comentários para pessoas que viram o filme, ninguém refutou. Ao contrário, reconheceram de fato que não foi nem originalidade, nem primazia na atuação que causaram uma boa percepção sobre a trama. Foi apenas simpatia pela história e pelo personagem principal. E isso reforçou minha pergunta: mas então merecia 8 estatuetas? A resposta das pessoas foi "não lembro dos prêmios, talvez não tivesse nada melhor mesmo".

Acho que o argumento tem sentido, em princípio. O prêmio do cinema americano é mesmo comparativo: se não tem nada melhor concorrendo, leva a melhor o que não necessariamente é bom. Portanto, achei que deveria levantar a lista de prêmios e analisar cada troféu. Encontrei o seguinte:

(1) Melhor filme - Esta foi ridícula. Não vi Milk pra saber se o filme em si é bom, mas O curioso caso de Benjamin Button é muito mais filme no geral. Discordo da idéia de que o concorrente fosse bom apenas nos efeitos especiais. O conto original é genial, a adaptação foi muito feliz e o filme é de matar, deixando as pessoas pensando por muitas horas após o filme. Depois do Milionário só fiquei pensando em como estava tudo errado no Oscar. MARMELADA!

(2) Melhor direção - Dos concorrentes, acho o Ron Howard o melhor (Mente Brilhante, Codigo da Vinci). Neste ano, o páreo estava com o David Fincher (que também é muito bom, fez Seven, Clube da Luta). Entendo que tendo um azarão com baixo orçamento na corrida, a Academia ia puxar a sardinha pro inglês. Não acho que o Danny Boyle tenha sido tão mais genial que os competidores do ano. Ele foi mais eficiente e mais econômico. Se houvesse um prêmio por melhor otimização do capital investido, Danny seria o cara. Mas a melhor direção é questionável. O que acho que foi talvez brilhante no diretor é que ele transformou um bando de indianos medíocres em atores globais. Nesse sentido, vou apoiar a decisão. MERECIDO!

(3) Melhor roteiro adaptado - Na minha opinião, o melhor roteiro adaptado é o Curioso Caso. O conto orginal é fantástico e o roteiro adaptado se manteve à altura. Dizem que o livro do Milionário é muito bom também, mas não me parece que o roteiro tenha tido grandes desafios de adaptação, era apenas uma narrativa. A idéia deste prêmio é favorecer o maior esforço de adaptação. Ou seja, é difícil escrever uma história com um único personagem que anda contra o tempo e criar diálogos e situações plausíveis com os demais personagens. Já descrever uma história cronológica de um garoto que teve uma vida difícil me parece bastante parecido com o livro original. Acho que deveria entregar a estatueta para o autor do livro, não para o roteirista. Ou então, mandar por FEDEX para os EUA. MARMELADA!

(4) Melhor fotografia - Isto é um fato. A fotografia é mesmo boa. Simples, sem helicópteros e gruas gigantes, mas o posicionamento da câmera e sequência de imagens é muito interessante. As cores também são muito importantes no corte e dividem as narrativas do filme: uma parte ágil e moderna, falando sobre o programa; uma parte dura com cara de denúncia, para contar a história do protagonista e a realidade da Índia. Achei que A Troca era pário nesta categoria, mas aí não podemos questionar o mérito do indiano. MERECIDO!

(5) Melhor mixagem de som - A música é bacana, dá ritmo ao filme, mas não nada do outro mundo. Num ano típico, o prêmio teria ido para o Batman. Não foi absurda a indicação, mas rolou alguma mudança de critérios. Tanto foi assim, que o Batman ganhou melhor edição de som. Aliás, alguém endendeu por que inventaram este novo prêmio de mixagem?? Qual é a idéia? É premiar a melhor mistura de trilha incidental, música original e efeitos sonoros? Não tem muita sobreposição com os prêmios de trilha original, edição de som e melhor canção?? MARMELADA!

(6) Melhor trilha sonora - Se o que chama atenção no filme é a dinâmica que a trilha incidental proporciona, e isso não foi coberto na melhor mixagem, então tudo bem, realmente não havia concorrente melhor. Mas isso já não teria sido premiado na melhor canção ou na melhor mixagem?? Não é muito prêmio pra uma mesma coisa?? MARMELADA!

(7) Melhor canção - De novo??? A música era uma só. Na verdade eram várias, mas não havia trilha incidental hipercomplexa, nem uma grande composição. Apenas uma música adequada ao filme (aliás, bastante adequada). Mas isso deveria ser reconhecido na melhor trilha. Mas melhor canção?? Qual?? Aquela do final, na estação de trem, com aquela dancinha ridícula dos atores?? Poupe-me... O problema é que não dá pra criticar muito a escolha, afinal o filme estava concorrendo com ele mesmo!!! Sim, porque só haviam mais 2 competidores, um do próprio filme indiano, outro do Wall-e. Não dá pra dizer foi erro, portanto, mas ficou feio criar uma categoria com 67% de chance de vencer... MARMELADA!

(8) Melhor edição - Aqui eu acho que é verdade: a edição (corte) é ótima. Mas considerando que a atuação dos atores em si foi patética e que já premiamos o indiano por melhor roteiro (questionável) e melhor fotografia (fato), acho que o Diretor deve ter tido tempo de sobre pra se dedicar ao corte. De novo, me parece que estamos dando valor dobrado a uma mesma dimensão: o que salva o filme é a realmente edição e a fotografia. Pra que dar o premio de melhor Diretor então pro inglês?? Aqui acho que não foi marmelada, talvez erro de contagem... De qualquer forma, acho que este faz sentido. MERECIDO!

Bom, pra fechar meu argumento, basta dizer que o indiano era meio azarão, ninguém esperava tanto reconhecimento. Os próprios atores presentes faziam cara de espanto. Não sei dizer qual foi a causa pra esse exagero, se por causa de aproximação com a Índia, se por influência de acordos paralelos em andamento com produtoras indianas, se por mera empolgação com o curry. Talvez muitas novidades sobre a Índia tenham deixado o país em alta e influenciado a decisão do juri. Mas na minha opinião, a premiação foi exagerada em pelo menos 5 estatuetas.

Fato importante final: nada do que eu diga vai mudar o rumo da história, nem o reconhecimento deste filme. Mas pelo menos eu desabafei...

sexta-feira, março 06, 2009

A viagem do elefante no quadrado

Diz aí DJ...
Ago, A-Ago,
Cada um lendo um romance do Saramago...

Puta que me pariu! - Parte I

O Brasil tem dado demonstrações incríveis do nosso nível de desenvolvimento humano ao mundo.

Primeiro, apresentamos uma pseudogestante bipolar automutiladora e crítica política, que nos deixou com a imagem arranhada diante do planeta - pelo bizarro do fato em si e pelo despreparo de nossa diplomacia internacional.

Agora, encontramos um estuprador pedófilo recorrente, que abusou de duas afilhadas (uma irmã de 14 anos e deficiente mental; outra caçula, com 9 anos!). Pra piorar o quadro, a mais jovem engravidou e foi submetida a aborto conforme previsto em lei. Como se não bastasse, um bispo nordestino declarou aos quatro ventos que todos os envolvidos (legisladores, médicos, policiais e estuprador, poupando apenas a pobre infante) estavam irremediavelmente excomungados! Sim, uma punição divina pra uma boa ação (pois a menina corria risco de morte se continuasse a gestação).

E mais uma vez, viramos notícia nos jornais do mundo - pelo grotesco do fato em si e pelo agravamento do comentário da Igreja sobre o caso. A única diferença é que desta vez temos reforços globais: o Vaticano e a CNBB apoiaram a declaração do bispo desajustado, alegando que perante Deus "o aborto é mais grave que o estupro". Talvez o Maluf tenha se apoiado nessa tese católica para disparar seu famoso "estupra, mas não mata!".

Essa história toda me deu tranquilidade pra continuar dormindo todo domingo até tarde e nunca mais pisar numa Igreja. E no meio da lama generalizada, gostei da declaração do Lula sobre o caso: "a medicina foi mais correta que a Igreja; fez o que tinha que fazer pra salvar uma vida".

Conclusão: Posso ser excomungado também, mas por esta Igreja não consigo sequer ter respeito.
Corolário: Pobre de um país que vê no Lula seu melhor porta-voz.

Intolerância, modos e ironia na educação de adolescentes

O Friburgo era um colégio bastante tolerante. Algumas vezes, até demais. Mas os professores, via de regra, consentiam com um volume considerável de conversas paralelas de alguns alunos mais levados, como o Duda, o Rafa, o Fabio etc.

Eu, como sempre, mantinha uma postura responsável e inatacável, fazendo comentários pertinentes e adequados ao contexto. (Se você que me lê não tem sensibilidade à ironia, pare agora pois a coisa tende a piorar).

Mas mesmo os seres humanos sensacionais como eu têm seus deslizes. Numa aula cansativa de Biologia, com a professora e língua-presa Selma, havia um contexto qualquer pra eu andar pela sala. Sabe uma dessas situações em que claramente o professor quer que a gente ande pela sala? Então, numa dessas caminhadas, sem querer, dei uma topada séria no pé de uma carteira e, numa atitude digna de qualquer cidadão correto, dei um grito de fúria e dor.

- Puta que me pariu! Caralho!

A Selma, professora, lingua-presa e coxa-creme, ficou possessa com minha interjeição e me repreendeu duramente.

- Marcio, você acha que está na sua casa? Ninguém aqui é obrigado a ouvir seus maus modos!
- Mas, Selma, eu tropecei na mesa e gritei de dor...
- Não me interessa, na próxima você vai pra Diretoria!

A Diretora era a Dayse. Não lembro se Dayse ou Daysi - ou talvez Daisy - mas sei que era com ipsilon. A Daysi era até bastante calma, mas a gente tinha medo da autoridade dela. Ela tinha o cabelo tingido de roxo, o que a deixava parecida com o Walter Dávila. E provavelmente porque a gente sabia que as pessoas que têm ipsilon no nome e parecem o Walter Dávila são instáveis e imprevisíveis, ficávamos quietos diante da ameaça de visitar a Daisy.

No entanto, eu havia ficado inconformado com a bronca. Ora, logo eu que sempre fui um espetáculo de ser humano, vou levar uma lambada daquelas publicamente, apenas por ter proferido uma interjeição de dor? Aquilo nem era um palavrão dado o contexto.

Então, aproveitei-me de outra oportunidade de dar um passeio pela classe e simulei uma nova pancada na mesa. Desta vez, no entanto, adequei o linguajar aos bons modos esperados pela Selma, mas de forma que ela percebesse a incoerência de não usar palavrões diante de um dedo latejante. Logo após a topada simulada, esbravejei como se cuspisse a frase toda numa só palavra:

- Ai-minha-nossa-senhora-valei-me-de-vossa-benevolência-divina!
- Marcio, já pra Dayzzzy!! - com voz de língua-presa.
- Mas, Selma, eu não falei palavrão nenhum!

Infelizmente, a Selma não captou minha ironia. Na verdade, captou, mas não gostou da atitude. Tentei relatar o fato com riqueza de detalhes para a Dayse, mas ela não me apoiou, passou-me um 'sabão' e me fez ficar o resto da aula na Diretoria.

Nunca entendi porque tamanha intolerância da Selma diante de uma pequena ironiazinha. Havia uma afirmação importante por trás daquilo que pra ela parecia apenas um desaforo. Já da Daisey, o que esperar? Ela tava muito parecida com o Walter Dávila naqueles dias. Acho até que houve um momento em que a ouvir dizer "sábo-lho!", mas isso deve ter sido apenas delírio da minha mente influenciado por sua imagem.

O que importa é que esse episódio me serviu de lição. Aprendi que não devemos ironizar nossos educadores. O melhor comportamento é imitá-los pelas costas ou ridicularizar suas características através de piadas sarcásticas, mas sempre de forma velada. (O processo educacional dos adolescentes da minha geração era mesmo incrível, não acham?)